Skip to main content

PUBLICIDADE

Livro Receitas sem Glúten para Celíacos

Sensibilidade ao glúten: não apenas os celíacos

Sensibilidade ao glúten: não apenas os celíacos

Estudo publicado na revista científica BMC Medicine descobriu que grande parte das pessoas sofre com a sensibilidade ao glúten não celíaca, distúrbio no qual as pessoas experimentam inchaço, gases ou dor abdominal, diarreia ou constipação, náusea, dor de cabeça e dormência nas extremidades após horas ou dias do consumo de glúten.

 

PUBLICIDADE

200 Receitas sem Glúten e sem Lactose

 

O risco desse problema, segundo os cientistas, é que as vítimas apresentam resultado negativo para doença celíaca ou para alergia ao trigo.

 

“Agora está se tornando evidente que as reações ao glúten não estão limitadas à doença celíaca. Descobrimos a existência de um espectro de distúrbios relacionados ao glúten”, afirmam os pesquisadores no artigo.

 

A má notícia é que a sensibilidade ao glúten não celíaca ainda não é bem entendida pela medicina e não existe um diagnóstico eficaz para ela.

 

“Ainda é muito novo e estamos tentando entender. As pessoas com essa sensibilidade não têm os mesmos biomarcadores das vítimas da doença celíaca, mas, frequentemente, os sintomas desaparecem quando seguem uma dieta sem glúten“, comenta a nutricionista Alexandra Inman, da clínica Vancouver Dietitians, do Canadá, em entrevista para o portal canadense de notícias Global News.

 

De qualquer forma, a especialista lembra que o autodiagnóstico é sempre perigoso, especialmente quando a pessoa opta pelo corte do glúten por conta própria, já que essa nova condição pode estar relacionada a algum outro problema, que pode piorar se não for tratado corretamente.

 

Vale lembrar que os sintomas gastrointestinais percebidos pelos celíacos são semelhantes aos da sensibilidade ao glúten não celíaca, além de deficiências nutricionais como anemia e dermatite.

 

Após a suspeita clínica, os exames que permitem o diagnóstico da Doença Celíaca são:

 

– Exames laboratoriais: testes sorológicos para dosar os anticorpos antigliadina, antiendomísio e antitransglutaminase;

– Endoscopia Digestiva com biópsia do intestino delgado (duodeno) para confirmação do diagnóstico.

 

Não inicie uma dieta sem glúten antes de realizar os exames para não prejudicar os resultados.

 

Para quem fez exames e o resultado foi negativo para o glúten, o próximo passo é realizar uma espécie de dieta restritiva (sob orientação de um profissional) para determinados alimentos, o que pode ajudar na identificação de qual deles seria o responsável pelos sintomas. Isso é especialmente importante quando se trata da nova condição descoberta pelos cientistas, já que o “vilão” pode não ser o glúten.

 

“Pode ser outro tipo de carboidrato encontrado em muitos produtos que contêm glúten. O frutano [polímero originário da frutose] é um tipo de carboidrato que não é facilmente digerido, especialmente por pessoas com a Síndrome do Intestino Irritado. Estamos percebendo cada vez mais relação entre aqueles que queixam de sensibilidade ao glúten, mas que, na verdade, têm problemas com frutanos”, esclarece Alexandra Inman ao Global News.

 

De fato, um estudo publicado na revista científica Gastroenterology descobriu que o frutano causa mais problemas estomacais em pessoas que achavam que eram sensíveis ao glúten do que a própria proteína do trigo. Polímeros como esse, que é proveniente da frutose, chegam ao intestino grosso sem serem digeridos e acabam passando pelo processo de fermentação devido às bactérias que compõem nossa flora intestinal. No processo, podem ser gerados gases e, consequentemente, o desconforto, em especial para quem sofre da Síndrome do Intestino Irritado.

 

Cardápio com Receitas sem Glúten para Celíacos

 

Descubra como preparar um verdadeiro cardápio sem glúten. O livro 200 Receitas para Celíacos é essencial para a sua dieta sem glúten! Confira agora CLIQUE AQUI !

 

Fonte: Revista Encontro

 

Sensibilidade ao glúten: não apenas os celíacos
5 (100%) 1 vote

DEIXE UM COMENTÁRIO